16/10/2015

Tokusatsu: Um guia para o Henshin

0
sentai

HENSHIN! Se você nunca ouviu essa palavra gritada com um glorioso entusiasmo japonês, é provável que nunca tenha assistido um tokusatsu. E eu tenho pena de você por isso, relês humano. Brincadeiras a parte, é bem legal mesmo, não sério, Power Ranger é bem legal mesmo depois que você cria barba na cara e tal. E bem, ele é até essencial antes disso… Mas deixando minhas reminiscências de lado, vamos a explicação formal, nada mais justo nesse capítulo de estréia.

Tokusatsu é uma gíria japonesa, que traduzida, quer dizer mais ou menos “efeitos especiais”, mas o que diabos isso tem a ver com Power Rangers? Pois então, digamos que um dia tudo isso foi bem mais sério. O termo Tokusatsu data desde a época do Godzilla clássico, um filme que um dia trouxe multidões ao cinema, e provavelmente seus avós assistiram e se maravilharam com aqueles efeitos incríveis que mostravam figuras gigantescas lutando umas contra as outras. O que você hoje em dia acha tão tosco, um dia foi tecnologia de ponta, meus amigos. E bem, é usado até hoje nos tokusatsus, basicamente é aquele truque de pessoas vestidas com fantasias, lutando em uma maquete (cada vez mais bem feita) de uma cidade, entre outros truques e jogadas.

Você pode dizer: “Mas tio, achei que tokusatsu era Power Rangers…” E é meu jovem padawan, entre outras coisas. O gênero nasceu pra dar vida aos verdadeiros super heróis japoneses, o primeiro de todos, Ultraman, foi lançado no longínquo ano de 1966, e foi um sucesso estrondoso, provando que o sci-fi era uma ferramenta perfeita pra atrair uma parcela mais jovem da audiência. Com isso, vieram logo em seguida outras versões da série, cada um com seu próprio Ultraman, e sua própria storyline.

neca-godzilla-classico-1954-lacrado-imperdivel-628901-MLB20425440959_092015-O

Com o sucesso da franquia, outras cópias e personagens que seguiam a fórmula logo vieram a tona, mas nenhum com o mesmo sucesso que o glorioso Ultraman. Isso pelo menos até 1971, quando Ishinomori Shotaro levou a frente o projeto Kamen Rider, produzido até hoje e com inúmeras versões de sucesso. Produzidos pela então pequena Toei, o programa dominical teve um sucesso extremo, desbancando até mesmo o pai de todos os tokusatsus. Com melhores efeitos especiais, uso de artes marciais nas cenas de luta e com a presença de um vilão principal, Kamen Rider resolveu deixar de lado as batalhas entre Kaijus, o que era sua maior fraqueza por um tempo, e foi o sucesso de outra grande franquia.

Super Sentai. O melhor dos dois mundos é o que Himitsu Sentai Goranger nos trouxe em sua estréia em 1975. Misturando o que os dois estilos tinham de melhor, e trazendo consigo uma dinâmica de grupo, o sucesso foi praticamente instantâneo, e criou o time de super heróis que anos depois seria trazido para o ocidente pela Saban, mas essa é história para outra postagem.

Desde 1966 os tokusatsus evoluíram muito, envolvendo drama, ação, aventura e fantasia em sua temática sci-fi, mas, assim como o povo que o produz, continua preso as suas tradições, afinal, não seria tokusatsu se não tivesse alguém com um colante, fazendo movimentos legais e gritando HENSHIN, não é?

Tags