Notícia

Netflix disponibiliza o dorama “Good morning call” hoje

good-morning-call
Purucast

Purucast #07 – Death Note

purucast-death-note
Recomendação

Oh my ghostess

ohmyghostess
02/02/2017

Algumas reflexões sobre o Pururin, a vida, o universo e tudo mais

0
not-again

Olá pessoas! Nossa, faz tempo, não é?

Levei um bom tempo para definir o que fazer sobre o Pururin desta vez. Quem acompanha o blog deve ter percebido que ele está completamente parado há mais de seis meses. Mas, mais uma vez, volto e tenho muita vontade de continuar utilizando o Pururin como uma forma de expressar minhas opiniões e gostos do meu jeito na internet.

O problema é que, mais uma vez, me peguei em uma mudança de fase e não sei exatamente que rumo seguir com o Pururin. Deixe-me tentar explicar: lá em 2010, nos primórdios do Pururin, ele foi criado como um blog para divulgar os trabalhos de tradução de mangás que eu e mais uns amigos fazíamos. Era para ser algo pequeno, traduzindo apenas obras que realmente gostávamos, no nosso ritmo. Mas, aí, o Pururin cresceu. Entre 2011 e 2012 começamos a tradução de mais de 20 projetos, alguns muito adorados (como Kamisama Hajimemashita!), gerando necessidade de comprometimento e equipe para manter as traduções em andamento.

Aí a vida começou a ficar complicada e vocês já conhecem a história. No final, decidi que não podia mais manter o grupo de tradução. Estava muito difícil de arrumar pessoas comprometidas e eu mesma não tinha tempo para dar continuidade às traduções sozinha. Foi aí que o Pururin passou por sua primeira grande crise de existência. O que seria dele? Para ser bem sincera, o Pururin se tornou parte importante da minha vida, fiz amigos incríveis através dele (Jazz-tan!! s2), dediquei muito tempo e dinheiro (sim, e nunca recebi absolutamente nada de dinheiro com o Pururin), e eu tenho muito amor por escrever sobre as coisas que eu gosto.

Foi aí que o Pururin chegou em sua segunda grande crise de existência. Como blog de conteúdo informativo e de entretenimento tentei manter os assuntos ligados à proposta inicial do Pururin, que são mangás e animes. Chamei alguns amigos e tentei diferenciar os conteúdos com os conhecimentos em pontos diferentes da cultura japonesa que eles possuem. Mas… o que fazer quando não se tem vontade de escrever sobre animes e mangás? Quando eu quero compartilhar alguma outra coisa, por exemplo um livro, uma série legal, coisas do tipo?

Uma inspiração minha sempre foi a Valéria Fernandes do Shoujo Café. Acho incrível a forma como ela conduz o blog há tanto tempo. Ele possui muita personalidade, muito da personalidade dela. Ela compartilha sem medo resenhas de mangás, seguidas por resenhas de séries britânicas ou uma novela da Globo (!). Realmente gosto muito disso. Ela escreve de um jeito que faz com que você queira acompanhar o blog, independente se ela está falando de mangás e coisas japonesas ou não.

Acabei criando um blog separado para falar de coisas diferentes. Mas aí nenhum dos dois blogs têm andado. Às vezes quero fazer uma crítica mais pessoal sobre algum mangá e acabo postando no blog pessoal, ficando sem o que postar no Pururin. E também entrei num momento em que mal estou tendo contato com animes e mangás. Por outro lado, li diversos livros, assisti séries e doramas. Então, porque existir essa separação?

Acredito que o Pururin vá passar por mais uma mudança. Realmente não quero parar com ele por “falta de conteúdo”. Conteúdo existe, sempre existe. Só preciso me organizar e pensar no que vai me dar mais satisfação escrevendo por aqui. E no que vocês vão gostar de ler, é claro. Muito obrigada à todos que têm que acompanhado nessa jornada. E até mais. :)

AH! Agora em janeiro o Pururin comemorou 7 anos de existência! O tempo realmente voa!

Tags
16/07/2016

Oh my ghostess

0
ohmyghostess

Eu não queria, de verdade, vir fazer uma recomendação de dorama de novo, tanto que estou segurando alguns que vi há algum tempo para resenhar mais tarde. Mas não consigo, gente. Preciso falar sobre o dorama que menos me deu expectativas até hoje e que mais me rendeu boas surpresas.

Oh my ghostess (오 나의 귀신님) é, a princípio, mais uma história sem graça e cheia de clichês sobre um cara rico e uma menina pobre que vê fantasmas. Já vimos isso antes em Master’s sun, não é? Mas o que posso dizer logo de cara é que você vai se surpreender muito ao longo dos 16 episódios desse drama.

Ele não é apenas uma comédia romântica com pitadas de sobrenatural – aliás, eu costumo fugir de doramas com temática sobrenatural principalmente porque acho os efeitos toscos e a inserção de eventos sobrenaturais extremamente forçada na história – mas uma trama recheada de mistérios e um dos relacionamentos em dorama mais gostosos de acompanhar de todos os tempos. Vem comigo conferir, sempre lembrando que tem um pouquinho de spoiler no caminho.

08/07/2016

Netflix disponibiliza o dorama “Good morning call” hoje

0
good-morning-call

Good morning call (グッドモーニング・コール), dorama japonês baseado no mangá de mesmo nome, começa a ser exibido hoje pelo Netflix. O drama é uma colaboração entre a Fuji TV e o Netflix, tendo sido exibido no Japão simultaneamente por ambos a partir de 12 de fevereiro. Agora, usuários brasileiros do Netflix também terão acesso à obra completa legendada.

O mangá, de Yue Takasuka, foi serializado pela revista shoujo Ribon entre 1997 e 2002. A obra completa conta com 11 volumes. Posteriormente a sua finalização, a autora iniciou uma continuação para a história, chamada de “Good morning kiss”, em lançamento desde 2007 e contando com 10 volumes até o momento.

07/07/2016

The moon that embraces the sun

0
moon-sun

“The moon that embraces the sun” (ou “Moon Embracing the Sun”, ou ainda “The Sun and the Moon”) foi um dorama coreano que assisti bem recentemente e me marcou bastante. Ele foi lançado em 2012, baseado no livro homônimo escrito por Jung Eun-gwol, e, desde então, se tornou um clássico. É claro que, mesmo demorando um pouco, eu precisava conferir o que fez toda essa fama, não é?

Vamos, como sempre, por partes. O dorama é histórico com toques sobrenaturais, se passando na Dinastia Joseon (1392 – 1897), quando a Coreia ainda era uma monarquia. Este motivo, por si só, já vale para dar uma espiada no primeiro episódio, e ver o figurino do dorama, onde a realeza se veste com toda a pompa devida. Destaque especial, é claro, para os hanbok utilizados pelas mulheres da realeza, os tradicionais vestidos coreanos, cheios de enfeites e muita cor.

A história de The moon that embraces the sun é composta por um mistério envolvendo o passado dramático do Príncipe Coroado de Joseon (o futuro sol de sua nação, estrelado por Yeo Jin-goo), Lee Hwon, e uma menina, Heo Yeon-woo (a lua, estrelada por Kim Yoo-jung), filha de um nobre, apaixonados desde a primeira vez em que se viram. A menina, ainda antes de nascer, teve um trágico destino previsto por uma xamã fugitiva, Ari, acusada de ter envolvimento na morte do filho do rei. Ela, antes de morrer, promete para a mãe de Yeon-woo que cuidará da menina mesmo depois de morta. A partir daqui vai ter um pouco de spoiler, fique avisado.

18/06/2016

Últimas atualizações sobre lançamentos de mangás no Brasil

0
one-week-friends

Olá! Como eu acabei ficando muito tempo sem postar nada por aqui (foi por um bom motivo, juro!), deixei passar as últimas novidades sobre lançamentos, relançamentos e promessas de mangás por aqui que saíram no último mês. Então, vou comentar tudo num post só para facilitar. Vem comigo!